terça-feira, 31 de maio de 2011

Arde e flameja


Ah, e dizer que isto vai acabar, que por si mesmo não pode durar.
Não, ela não está se referindo ao fogo, refere-se ao que sente.
O que sente nunca dura, o que sente sempre acaba, e pode nunca mais voltar.
Encarniça-se então sobre o momento, come-lhe o fogo, e o fogo doce arde, arde, flameja.
Então, ela que sabe que tudo vai acabar, pega a mão livre do homem, e ao prendê-la nas suas, ela doce arde, arde, flameja.


(in "Onde estivestes de noite" - Clarice Lispector)

1 Comment:

Dayanna Ferreira said...

Graande C. L. Minha inspiradora!

 
Template by CriaRecria - Todos os direitos reservados!